Rio Doce MG - 01 ano de Tragédia

Fiscalização, Luto, Minas Gerais, Rio Doce,

Um ano depois do rompimento da barragem da Samarco em Minas Gerais, as vidas impactadas pelo desastre ainda sofrem com as marcas deixadas pela lama. 
As multas aplicadas por órgãos ambientais mineiros, capixabas e federais ainda não foram pagas. A economia de Anchieta, no Sul do Espírito Santo, está prejudicada com a paralisação mineradora. E ainda restam muitas dúvidas sobre a água do Rio Doce.
Em novembro de 2015, a barragem de Fundão se rompeu e a enxurrada de rejeitos de mineração devastou o distrito de Bento Rodrigues, em Mariana (MG), e desceu pelo Rio Doce até chegar ao mar, em Regência (ES). A ciência ainda não consegue dizer com exatidão quais são os impactos causados pelo desastre em Mariana no meio ambiente e na saúde humana. 
Ainda não se sabe como será a relação dos ribeirinhos, pescadores, marisqueiras e de quem vive das águas do Rio Doce.
As mais de 17 mil ações contra a Samarco em Baixo Guandu, Linhares e Colatina se encontram suspensas para avaliação da Justiça. Um ano depois, Anchieta estima a perda de R$ 40 milhões em Impostos Sobre Serviços de Qualquer Natureza (ISSQN) até o fim do ano. 
A Justiça Federal em Minas Gerais atendeu ao pedido do Ministério Público Federal (MPF) para que a mineradora Samarco faça com urgência uma perícia para verificar se a lama de rejeitos de minério de ferro ainda vaza na barragem de Fundão em Mariana, na Região Central de Minas Gerais. 
A decisão desta sexta-feira (12/11/16) é da juíza Rosilene Maria Clemente de Souza Ferreira, da 12ª Vara Federal da Seção Judiciária de Belo Horizonte.O rompimento da barragem ocorreu em 5 de novembro do ano passado, matando 19 pessoas. 
Passado um ano do desastre, o MPF afirma que ainda não está comprovado que houve estancamento do vazamento da barragem e se as medidas que estão sendo tomadas pela mineradora são eficazes. 
Por isso, a procuradoria aponta como necessária a realização de prova pericial emergencial.
Luto, Rio Doce, Minas Gerais, Fiscalização
Fonte
http://g1.globo.com/minas-gerais/desastre-ambiental-em-mariana/noticia/2016/11/samarco-tera-que-contratar-pericia-emergencial-em-area-de-barragem.htmlhttp://g1.globo.com/espirito-santo/desastre-ambiental-no-rio-doce/noticia/2016/11/ano-de-lama-g1-analisa-tragedia-ambiental-social-e-economica.html







0 comentários:

Postar um comentário